Rita Lee

Para acompanhar a letra clique no desenho da folha dentro do player. Para assistir os vídeos disponíveis veja se a câmera dentro do player está aparecendo e clique nela. Para ouvir as músicas na sequência original ou seja, do primeiro ao último lugar clique em Ordenação original.

 

Rita Lee
Rita Lee em 2010
Informação geral
Nome completo Rita Lee Jones Carvalho
Nascimento 31 de dezembro de 1947 (64 anos)
Origem São Paulo (SP)
País  Brasil
Gêneros Rock & rollrock psicodélicohard rocktropicalismobossa nova,[1]glam rock,[2] pop rocklatinodisco
Instrumentos violãoguitarraflautateremim,bateriabaixopianosintetizador egaita.
Período em atividade 1963—presente
Gravadora(s) PolyGramPolydorPhilipsEMISom LivreUniversal MusicAbril Music,Biscoito Fino
Afiliações Os Mutantes (1968-1972), Tutti Frutti(1973-1978), Roberto de Carvalho,Tom ZéNelson MottaPaulo Coelho,Zélia DuncanEd Motta.
Página oficial www.ritalee.com.br

 

Rita Lee

Rita Lee

Foto: Mário Luiz Thompson

Rita Lee Jones, neta de americanos que vieram para o Brasil por não concordarem com os resultados da Guerra da Secessão, foi mesmo, como ela canta, a "ovelha negra" da família. Desde cedo fugia de casa para cantar num grupo formado por amigas, sem que seus pais soubessem. A coisa estourou quando Rita teve um ataque de apendicite num show - e chamaram seu pai.

Prometeu ser boa menina e estudar muito - mas em troca pediu uma bateria, que acabou ganhando. Depois disso conheceu dois irmãos, Sérgio e Arnaldo, e com mais três amigos montaram um grupo que acabou na primeira apresentação. Uniram-se os três e fizeram o "Mutantes" - foi quando Gil os carregou para a Tropicália. Houve protestos de todos os músicos do festival da Record, mas os Mutantes arrasaram com modos roupas e deboche acompanhando Gil em Domingo no Parque.

Por excesso de machismo, o grupo rompeu-se - Arnaldo e Sérgio culpavam Rita Lee por todos os insucessos - culpavam por ser mulher, e por mulher não ter nascido para o rock.

Rita deu a volta e retornou com o Tutti Frutti - que acabou repetindo o machismo dos Mutantes. Deprimida, tentou o suicídio: "Eu estava com muita pena de mim. Uma noite cheguei em casa e, de maneira hollywoodiana, à la Marilyn Monroe, engoli uma porção de comprimidos. Fui apagando. Um amigo arrombou a porta a tempo de me levar para o hospital. Que canastrice, uma grande babaquice. Aí eu parei com essa história de morrer. Hoje quero ser eterna, de preferência. Penso na morte de modo diferente. Acho que ela deve ser um grande orgasmo".

O fato é que não faltaram histórias e loucuras na vida dessa capricorniana futurista, irresistível e bem-humorada. Para Rita Lee, nossa primeira-dama/tia/mãe - e agora avó - do rock, a vida é uma grande brincadeira. É a nossa maior representante do rock, é a maior tradição de São Paulo.

Carô Murgel